A ex-modelo Luiza Brunet celebrou os 12 anos da Lei Maria da Penha e disse: “Há muito a ser feito”

A ex-modelo Luiza Brunet celebrou os 12 anos da Lei Maria da Penha e disse: “Há muito a ser feito”

Celebrando 12 anos da lei criada para enfrentar a violência contra a mulher, Luiza Brunet  fez uma publicação em seu Instagram e dividiu com seus seguidores dados desde que a lei foi criada. Ela também agradeceu aos policiais das delegacias especializadas e disse: “sei que há muito a ser feito neste campo ainda, mas não vamos desanimar”.

“Policiais da delegacia especial de atendimento à mulher da polícia civil do Rio de Janeiro agradeço todo o empenho de vocês. Agradeço a todos os policiais que atendem mulheres vítimas de agressões. Não vamos desanimar e nem desistir de fazer a denúncia. É fundamental procurar uma delegacia no seu bairro no seu estado”, completou Luiza.

A ex-modelo está estarrecida com o caso da morte da advogada Tatiane Spitzner, que foi encontrada morta ao cair do 4º andar do prédio onde ela morava com o marido, o biológo Luís Felipe Mainvailer, em Guarapuava, na região central do Paraná. O viúvo está sendo acusado de ter jogado a mulher da varanda e a atriz fez um texto correlacionando a tragédia às agressões que ela acusa o ex-companheiro Lírio Parisotto.

“Umas morrem assim sem reagir. Outras têm quatro costelas fraturadas, dedo fraturado, face machucada, pescoço fraturado, corpo queimado mutilações, parte psicológica destruída. Qual é a pena para esse tipo de monstro? Você ainda acredita na justiça para mulheres agredidas? Meu caso foi relativamente rápido e houve condenação e o espancador recorreu. Estou esperando o desfecho final de um crime hediondo que deve estar sendo avaliado para uma sentença definitiva, mesmo com provas contundentes, foto dentro do apartamento, dentro do avião, tomografia que mostra as fraturas, ainda assim estão sendo analisados”, ironiza.

Luiza continua publicação dizendo como as mulheres se sentem após serem agredidas. “Como você acha que uma mulher se sente depois de uma agressão? Sinto vergonha da condição feminina, sinto vergonha de não poder fazer mais, sinto vergonha quando mulheres me pedem ajuda e eu não sei como ajudar… Sinto vergonha de estar junto no enfrentamento da violência contra mulheres e não poder fazer muita coisa. Deixo aqui o meu desabafo com tristeza. Sei que nesse momento mulheres estão sendo agredidas e nada será feito para impedir que isso aconteça. Vou continuar tentando. Não vou desistir mesmo que leve anos”, conclui.

Em maio, a ex-modelo usou a rede social para se pronunciar depois de perder uma ação que movia contra Lírio. No processo, a atriz pedia o reconhecimento da união estável. Os dois namoraram de 2012 a 2014 e depois de uma pausa, voltaram a se relacionar no começo de 2016. Meses depois, a atriz terminou o relacionamento e acusou o empresário de agressão.

O empresário também se manifestou a respeito da decisão da Justiça e afirmou ter sido vítima da artista.

Fonte: Jornal O Sul